Estudo geral da saúde privada na região metropolitana de Belo Horizonte – Abril de 2022

Estudo geral da saúde privada na região metropolitana de Belo Horizonte – Abril de 2022

“O estudo a seguir tem por objetivo auxiliar na campanha salarial do SINDEESS (Sindicato dos
Trabalhadores da Saúde de BH e Região).


No primeiro capítulo, tomamos como base os dados disponíveis na RAIS-MTE que englobam todos os trabalhadores ativos do Brasil. A RAIS é uma base de dados anual, de modo que os números relativos ao ano de 2021 ainda não foram publicados. Em outros momentos, era possível atualizá-los por meio do CAGED, base de dados mensal que atualiza os trabalhadores admitidos e desligados em cada setor e ocupação. Infelizmente, o CAGED foi descontinuado pelo governo federal e, em seu lugar, foi criado o NOVO CAGED que não possibilita pesquisas que circunscrevam exclusivamente a base de trabalhadores representadas pelo SINDEESS. Apesar desse limite, consideramos a base da RAIS em uma longa série histórica, de modo a abarcar as tendências acumuladas no último período, incluindo o último o primeiro ano da pandemia de COVID-19.

Por meio dessa base, analisamos a evolução histórica do emprego, da remuneração, bem como a variação desses indicadores por faixa etária, municípios e tipo de ocupação.

Na segunda seção do estudo, analisamos os dados disponíveis de diversos hospitais, bem como outras empresas de serviços de saúde que compõem a base do SINDEESS. Em alguns casos, ainda não foram divulgados os índices de 2021, quando nossa análise se limitou ao ano de 2020.

As seguintes entidades foram examinadas em conformidade com os dados então disponíveis: REDE MATER DEI DE SAÚDE, UNIMED-BH, SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE, HOSPITAL DA BALEIA (Fundação Benjamin Guimarães), HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CIÊNCIAS MÉDICAS (FELUMA), HOSPITAL MÁRIO PENNA, LIFECENTER SISTEMA DE SAÚDE SA (Hospital LIFECENTER), ONCOCENTRO.”

Boa leitura!

Acesse o estudo na íntegra aqui.

Compartilhar:
Anterior

Boletim Contra-Corrente extra: Produtividade e exploração no setor bancário

Deixe uma resposta